terça-feira, 20 de junho de 2017

Muito Além do Futebol... (107)

Recém-apresentado no Santos, o técnico Levir Culpi já chegou querendo agradar a torcida do Santos FC: "Tem até argentino no Santos. A gente não gosta de argentino.", afirmou

PS: Levir afirma que "o brasileiro é um povo desonesto".

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Propagandas (77)

Ação promovida pela marca Lay's une brasileiros e argentinos.

sábado, 15 de abril de 2017

Muito Além do Futebol... (106)

Sou cozinheira. Estou num programa de cozinha. Quero vencer. Um dos chefs é uma argentina. Ela me avaliou e apontou erros grosseiros cometidos por mim. Provavelmente serei eliminada... Ah, não tem problema,''pelo menos o Brasil é penta''.

Como diz a música Muito Romântico, composta por Caetano Veloso e gravada por Roberto Carlos, ''eu não consigo entender sua lógica''.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Raça X Nacionalidade (101)

O envolvimento com Reality shows vai além do ''ser espectador'' -- confunde-se empatia com torcida, preferência com urgência, expectativa com esperança.

Mais um caso aconteceu na última terça-feira (13/12/2016), após a final do Master Chef - Profissionais.

"Torcedores" de Marcelo ficaram indignados com a derrota do chef e passaram a questionar a lisura dos jurados, em especial Paola Carosella.

Um destes revoltados foi Cito Giovezzio (ou Ciro Giovenazi, afinal?) que, mais do que questionar a ética e a imparcialidade da julgadora, ofendeu-a usando a fórmula clássica de atacar a nacionalidade (argentina!).



Como se vê, outra fórmula clássica usada por Giovezzio vem a seguir: apagar o post. Mas o retweet de Paola já foi suficiente para escancarar o preconceito e arrogância do "macho de internet".

Insatisfeito, destila ofensas aos argentinos e às mulheres, numa sequência só, afirmando serem "estereótipos reais".

O que nos felicita é que, apesar dos Giovezzios que existem nesse país -- e eles não são poucos --, ainda existem pessoas como a particpante Vanessa, presente na 3ª edição do programa.



Atualização de 9 de Março de 2017: na nova edição do programa, nova discussão entre espectadores e Carosella, via Twitter, e novas "menções" à nacionalidade da chef (confira detalhes clicando aqui). 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Duetos (103)

Luis Scola, jogador argentino de grande sucesso no Basquete mundial, atualmente defende o Brooklyn Nets, equipe que homenageou Oscar Schmidt na última terça-feira.

Scola celebra a oportunidade de reencontrar seu grande ídolo do esporte -- a primeira vez que ele o viu pessoalmente foi em 1990, na Copa do Mundo de Basquete, que aconteceu na Argentina, quando Scola tinha apenas 10 anos e atuou como gandula.

"Foi divertido porque ele era um grande herói para mim e tivemos a chance de conversar um pouco, então obviamente será um momento de emoção encontrá-lo. Vai ser um grande dia. Poderei conversar com ele, talvez tirar outra foto 30 anos depois. (...) Ele foi um herói para praticamente todo mundo na América Latina. Ele foi meu maior exemplo no basquete por anos e anos."



Mais uma vez (como nos casos de Senna e Fangio, Caetano-Chico e Piazzola) o exemplo vem de cima.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Muito Além do Futebol... (105)

Clássico o modelo: seu time perde a culpa é da arbitragem. Geralmente, "o juiz roubou". E às vezes ele pode ser argentino, pra piorar as coisas...

"Juiz argentino"

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Isso é Jornalismo? (62)

Um dos exemplos mais claros e irrefutáveis de como a imprensa brasileira -- e, em especial, a Rede Globo -- trata o assunto "Argentina" e "argentinos" da forma mais enviesada e até certo ponto maldosa.

Estampava a home do portal Globo Esporte a foto abaixo:

  Quais "torcedores"? Ah, tá... só podiam ser argentinos!
À primeira vista, obviamente todo mundo iria concluir que se trata de uma "conduta" da torcida argentina, e que a Conmebol, por sua proximidade com a AFA, precisou intervir, correto?

Não é bem assim...

Seguem dois trechos esclarecedores (a matéria original pode ser lida aqui):

"No último dia 4, a Fifa anunciou punições a 11 federações nacionais, incluindo a CBF, multada em R$ 71,7 mil pela conduta de torcedores na partida entre Brasil e Colômbia, em 6 de setembro, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Houve gritos homofóbicos  no confronto contra os colombianos, na Arena da Amazônia, em Manaus."

"A punição mais pesada foi para o Chile, reincidente em manifestações homofóbicas da torcida. Já sancionada pela Fifa anteriormente, a seleção não poderá disputar o duelo contra a Venezuela, no dia 28 de março de 2017, no Estádio Nacional de Santiago, sua casa tradicional. Além disso, terá que pagar multa de 65 mil francos suíços (R$ 233 mil)."

Mas, afinal, se são 11 seleções, incluindo a brasileira, e a "pior punição" foi para os chilenos, por que o site estampou uma foto de torcedores argentinos?!