quarta-feira, 31 de março de 2010

Isso é Jornalismo! (18)


Esse é um texto bastante curto mas que vem muito bem a calhar com a ideia do nosso blog: trata-se de "O preconceito Nosso de cada dia", escrito por Anderson Cruz, autor do blog "Religião Urbana".

Na postagem, de 2007, Cruz faz uma reflexão sobre preconceito, tomando como ponto de partida um dia de sua vida.

//

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória que se baseia nos conhecimentos surgidos em determinado momento como se revelassem verdades sobre pessoas ou lugares determinados. Costuma indicar desconhecimento pejorativo de alguém ao que lhe é diferente. As formas mais comuns de preconceito são o social, racial e sexual.

Procurei achar na internet uma explicação racional para o preconceito que o homem carrega dentro de si, foi em vão. Ódio por outra raça ou religião, raiva de nordestinos, aversão a argentinos, horror a homossexuais, etc...

Todos temos preconceitos, em maior ou menor grau, ele está presente no Brasil e no mundo todo, em você, em mim.

Eu tenho preconceito, admito, com certo constrangimento. Quem não tem, atire a primeira pedra (pra cima, de preferência porque hipocrisia é pecado).

Antes de escrever esse post fiz uma análise do meu dia para perceber meus atos preconceituosos: começou pelo mendigo que cruzou meu caminho de manhã e eu desviei sem olhá-lo; depois, a música com batidas e rimas assombrosas que eu na minha casa era obrigado a curtir, graças ao “gosto” musical e ao rádio potente do vizinho.

Outras situações foram me mostrando durante o dia o tamanho da minha imperfeição.

Fiquei pensando em como acabar com essa ferida aberta.

Tenho muito ainda que aprender a respeitar o próximo, mas isso não me desanima.

Vejo as barbáries que as pessoas fazem por preconceito e sei que não tenho coragem para tais atos. Mas tenho que me curar dessa doença, tentar não passar para frente.

Na foto do post, vai um preconceito que eu tinha, que foi quebrado.

Então “Salve, Salve” nossos 'hermanos', e que eu consiga tratar como irmãos a toda a humanidade.

Um comentário:

  1. Se todo mundo fizesse essa reflexão, seria otimo.

    ResponderExcluir