quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Muito Além do Futebol... (58)

Já falamos muito por aqui - de diversas formas, por diferentes razões e em distintas situações - que a 'encrenca' dos brasileiros com os argentinos é 99% causada pelo futebol, e na maior parte por conta de Diego Maradona.

E uma das situações que aumentou essa raiva foi a famigerada "Igreja Maradoniana", em que dois amigos argentinos foram os fundadores.

Pessoas que não são religiosas ou que não praticam qualquer rito do tipo, falam com consternação ou indignação: "o que é isso, os argentinos dizem que ele é Deus, isso é abominável", etc.

Há três erros fundamentais em tais julgamentos: 1) fala-se, no Brasil, como se se tratasse de uma religião de fato, algo que substitui Deus no sentido da adoração; 2) é mostrado como se fosse uma unanimidade entre os argentinos e 3) como se fosse algo único e exclusivo dos vizinhos.

Na verdade, não é uma religião no sentido estreito do termo: é uma grande brincadeira -- estúpida, por sinal; Mas não chega sequer a ter grande representatividade, em termos de alcance: fala-se de em torno de 45 mil 'seguidores' no país (que possui população de 40 milhões), de um total mundial de 120.000.

Porém, o mais importante - e esquecido - é que tal congregação já possui mais de 16 mil 'fiéis' no Brasil (!) e também tem sua sede em Barcelona, cuja página do Facebook já conta com quase mil associados. Na Escócia, país onde Maradona jamais atuou, já são contabilizados 1.500 membros (!). Tudo isso sem contar que o tal endeusamento de Maradona havia começado muito antes (1990), na Itália, mais precisamente em Nápoles.

Mas, além dessas incoerências e desprezos, há um outro fato que torna ainda mais absurdas as críticas feitas à "Igreja Maradoniana", ou melhor: aos argentinos.

Parece engraçado pensarmos que o povo brasileiro acha um horror que 'os argentinos' idolatrem Diego Maradona - ou um ser humano qualquer, com mil defeitos e vitrudes - de tal forma porque é justamente no Brasil onde há imensa idolatria e veneração de seres humanos falhos.

Não é necessário entrar (ou defender um dos lados) no debate entre católicos e protestantes para que se admita que no Brasil as crendices populares - seja de homens ou mitos ou homens mitificados - é elevada a patamares maiores. Basta ver que um homem como Padre Cícero (adúltero e excomungado pela própria Igreja Católica Romana!) é considerado um 'santo' e em várias áreas do Nordeste tem uma posição maior que a de Jesus Cristo ou Maria.

No entanto, ainda assim há de se dizer que se tratava de um homem religioso, portanto a comparação com Maradona seria herética.

Há o caso do piloto Ayrton Senna, que durante a sua vida e depois de sua morte tem sido alçado à condição de ser humano perfeito muito mais que o piloto absurdamente talentoso (provavelmente o mais deles) que foi.

Inclusive, em sua biografia é mencionado que muitos brasileiros passaram a fazer 'pedidos' a ele, e há até mesmo caso de suicídio com intenção de ''reencontrá-lo''.

Porém, vamos tratar aqui de uma questão também relacionada ao mundo do esporte que tem os mesmos moldes e princípios do Maradonianismo: a canonização do ex-goleiro Marcos, campeão mundial pela seleção e ídolo do Palmeiras.

Deus X Santo

Há quase doze anos, mais precisamente em 06 de junho de 2000, Marcos passou a ter o prefixo "São" associado ao seu nome por jornalistas e torcedores palmeirenses: nesse dia, ele pegou um pênalti de Marcelinho Carioca e classificou o Palmeiras para sua segunda final consecutiva da Libertadores, eliminando também duas vezes seguidas o maior rival do clube.

Isso foi considerado um apelido carinhoso até que, no dia 14 de janeiro de 2012, após anunciar que se aposentaria do futebol (como aconteceu com Maradona, que tivera sua canonização e depois virou Diós), cinco mil torcedores do ex-Palestra Itália realizaram uma procissão para declará-lo santo de uma vez por todas.


Rezou-se um 'Pai Nosso', modificando as frases e adaptando-as aos 'milagres' de Marcos; Havia um cidadão vestido de Papa que conduzia a celebração; no local também foram vistas pessoas se ajoelhando e olhando ao céu pelas 'luvas divinas'.

Ora: nada diferente das bizarras celebrações que ocorrem na Igreja 'de Maradona'. Houve profanação e escárnio para com ritos e crenças do cristianismo católico da mesma forma. Não podemos deixar de citar que foram criados Doze - e não somente dez, em virtude do número da camisa que vestia - mandamentos de "São Marcos". Assim como se criaram os Dez (era o 10 onde atuava) Mandamentos de Diego Maradona. Vamos a eles:

Os 12 Mandamentos do São Marcos:
1 - Não serás desleal com teu adversário;
2- Jamais se curvarás e lutarás, por toda sua vida, contra os malefícios dos Corinthios Gambáticos da Marginal Sem Número;
3- Não te sentirás melhor do que ninguém;
4- Honrarás teu manto alviverde, como a ti mesmo;
5- Amarás ao Palmeiras sobre todas as coisas;
6- Carregarás em suas mãos os corações dos milhões de torcedores palmeirenses;
7- Não trocarás teu amado clube por trinta dinheiros;
8- Despertarás o respeito da torcida adversária;
9- Elogiarás teu próximo sem esperar retribuição;
10- Liderarás teu grupo mantendo a amizade e o respeito de todos;
11- Não vestirás outra camisa que não seja o manto sagrado esmeraldino do Palmeiras e da Seleção Brasileira;
12- Defenderás a meta palmeirense com todo o fervor de sua alma palestrina!

10 MANDAMENTOS DA IGREJA MARADONIANA :
1 - A bola não se mancha, como disse D10S em sua homenagem.
2 - Amar ao futebol sobre todas as coisas.
3 - Declarar seu amor incondicional pelo futebol de MARADONA.
4 - Defender a camisa ARGENTINA, respeitando seu povo.
5 - Difundir as palavras de DIEGO MARADONA em todo o Universo.
6 - Frequentar os templos onde MARADONA jogou com seu manto sagrado.
7 - Não proclamar o nome DIEGO por um único Clube.
8 - Amar sempre os princípios da IGREJA MARADONIANA.
9 - Adotar DIEGO como segundo nome e repassá-lo para seus filhos.
10 - Jamais perder a fé no futebol da ARGENTINA.

Não se pode deixar de notar, inclusive, certa 'inspiração' na liturgia por parte dos palestrinos. Também são propagados ‘milagres’ de São Marcos, assim como é dito sobre Maradona.

Quantidade ou Intensidade?

A torcida palmeirense, segundo dados do IBOPE, Datafolha e outros institutos, é a 4ª maior do país e possui quase 15 milhões de torcedores no Brasil. Fazendo uma conta simples, se apenas 0,8% dos seguidores da Sociedade Esportiva Palmeiras forem também fiéis de "São Marcos de Palestra Itália", já haverá número idêntico ao total mundial de Maradonianos, e quase o triplo de argentinos 'convertidos'.

Portanto, as brincadeiras desrespeitosas e absurdas, beirando a idiotia, não são "típicas" de argentinos, nem de palmeirenses, brasileiros, catalães, napolitanos ou escoceses: é coisa do ser humano, este ser muito engraçado e contraditório, qualquer que seja a cor de sua pele, origem ou condição sexual.

2 comentários:

  1. 1) Sempre achei uma brincadeira "legal", a igreja Maradoniana;

    2) Marcos tem um documentário chamado "Nunca fui Santo", e o mesmo já declarou isso diversas vezes, registre-se;

    3) Considerei essa uma das melhores matérias da rica história desse blog que tanto admiro. Muito interessante a comparação, confesso que jamais havia pensado a respeito das duas situações e os conceitos que são atribuídos em ambas.

    ResponderExcluir
  2. Menterud Heuschkel14 de junho de 2013 14:36

    É impressão minha, ou a "homenagem" ao Marcos é mais desrespeitosa ao Catolicismo? Se não, ao menos, tenta "se parecer mais", ou também estou errado? A do Maradona me parece mais fictícia, e de certa forma, mais criativa.

    O preconceito brasileiro é definido da melhor forma, quando no terceiro parágrafo dessa otima matéria, temos: "Pessoas que não são religiosas ou que não praticam qualquer rito do tipo, falam com consternação ou indignação: "o que é isso, os argentinos dizem que ele é Deus, isso é abominável", etc."

    Fechou o pacote.

    É bom salientar que não tenho preferência clubística. apenas admiro o bom futebol, não tenho "bandeira"; torço apenas pela seleção Húngara, time de meu saudoso avô nos anos 50, minha família é amante do bom futebol ;)

    Abraços e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir